quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

A “transição planetária” e o “exílio planetário”.


Para que o planeta ingresse na Nova Era, ocorrerá um período de transição, em que muitas mudanças ocorrerão no planeta. Centrar-nos-emos nas informações espirituais da transição e do exílio planetário, mostrando um trecho do livro: “A Nova Era, orientações espirituais para o terceiro milênio”, obra mediúnica de Roger Bottini Paranhos, orientada pelo Espírito Hermes. O livro é composto de perguntas e respostas, e mostremos aqui duas delas, uma sobre o “exílio planetário” e outra sobre a “transição planetária”.


PERGUNTA: – O que devemos entender por “exílio planetário”?

HERMES:Os planetas assim como os filhos de Deus, estão inseridos em um programa evolutivo traçado pelo Criador. Ao final de um estágio de evolução em determinado mundo do Universo, os espíritos que ali reencarnaram são avaliados com o objetivo de verificar-se se eles atingiram o patamar de progresso traçado para aquele planeta, tal qual o estudante é avaliado por seus mestres a fim de ser aprovado para um novo ano letivo na escola. Aqueles que não evoluíram, segundo as metas traçadas, deverão ser exilados num mundo inferior, onde possam repetir o estágio de aprendizado que negligenciaram por séculos e séculos, nas diversas encarnações a que todo o filho de Deus é submetido em sua evolução infinita.
Jesus, em sua passagem pela Terra, nos deixou claro esse processo de avaliação ao comentar em seus ensinamentos sobre o “juízo final”. O Sábio Instrutor alertou-nos também que “a semeadura é livre, mas a colheita obrigatória”, ou seja, que deveríamos responder pelos nossos atos. Além dessas afirmações, Ele nos esclareceu que inegavelmente haveria um método de seleção espiritual que apartaria os “lobos” das “ovelhas”, o “joio” do “trigo” e os da “esquerda” dos da “direita” do Cristo.
O último estágio evolutivo, anterior ao que vivemos, encerrou-se durante as últimas décadas que antecedem a submersão da Atlântida, quando então iniciou-se uma nova fase com a vinda de espíritos exilados do sistema de Capela para a Terra. Esses acontecimentos foram narrados no primeiro capítulo de nosso último trabalho “Akhenaton – A Revolução Espiritual do antigo Egito”.
Assim, um novo agrupamento de espíritos iniciou seu processo de evolução na escola terrena e, com o passar dos séculos, adquiriu os primeiros traços de civilidade, até que, há dois mil anos, desceu ao mundo físico o governador Espiritual do planeta Terra, Jesus, e traçou o programa definitivo de redenção espiritual de nossa humanidade. Então, um prazo de aproximadamente vinte séculos foi estipulado para que os espíritos que aqui evoluem atingissem tal meta. Esse período já está se esgotando e um novo exílio planetário está em andamento, a fim de que os espíritos rebeldes sejam expurgados da Terra para um mundo primitivo.


PERGUNTA: – E o que podemos entender pelo termo “transição planetária”?

HERMES: – A transição planetária é o termo utilizado pela Espiritualidade Superior para identificar o período de transição entre o atual ciclo evolutivo e o próximo que está por vir. Nesse espaço de tempo ocorrem as transformações necessárias no globo, visando a sua adequação à nova fase de evolução, bem como o processo de exílio planetário em que os espíritos identificados como o “joio” são afastados do processo de reencarnação no mundo físico e encaminhados para o translado à sua nova escola planetária.
Esses períodos de transição abrangem em torno de cem anos do calendário terreno, sendo que o atual iniciou-se na segunda metade do século passado e deverá ser concluído até o final deste século. No decorrer desse período, proceder-se-á um gradual processo de reencarnação dos espíritos que conquistaram ingresso para viver na Terra da Nova Era pelos méritos alcançados em sucessivas encarnações. Esses irmãos vitoriosos mudarão o cenário do mundo, que será de paz e amor.
O século vinte foi identificado no Plano Astral como o “século dos trabalhadores da última hora”, em alusão à parábola de Jesus que convida os que ainda não se elegeram para a Nova Era a fazerem-no agora, nesta última encarnação, antes do Grande Exílio, o que acarretou uma grande concentração de espíritos atrasados no plano físico em um mesmo período. Como já vos dissemos, na década de sessenta do século passado, tínhamos encarnados no planeta noventa e cinco por cento de espíritos atrasados, gerando uma carga astral instável que quase acarretou um desequilíbrio generalizado em todas as áreas da evolução humana.
Agora, vivemos um período em que espíritos missionários já estão reencarnando para mudar o perfil da humanidade. Os rebeldes desencarnarão sistematicamente e o retorno gradual dos eleitos à vida física mudara a face do planeta, realizando um processo de grande avanço científico e moral para a humanidade terrena. Nos primeiros anos da década de setenta do século vinte e um, provavelmente já deveremos vislumbrar a nova Era consolidada, que surgirá após o processo dede transição planetária. Enquanto os seguidores do Cristo estiverem comemorando a vitória conquistada no processo evolutivo, os espíritos rebeldes estarão sendo exilados num mundo inferior, onde poderão externar todas as suas taras e desequilíbrios sem prejudicar o avanço de uma sociedade espiritualmente superior.
Lá, na “terra do ranger de dentes”, como nos preceitua o Evangelho de Jesus, eles terão de lutar pela sobrevivência em meio a um ambiente selvagem, onde não terão tempo nem ânimo para promover o mal.

Fonte: A Nova Era, por Hermes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário