terça-feira, 19 de abril de 2011

Dicas de Feng Shui para o financeiro e a harmonia da sua casa.


Feng Shui é uma técnica milenar chinesa de harmonização dos ambientes. Feng significa vento e Shui significa água. A principal ferramenta do Feng Shui é o ba-guá. Ele pode ser aplicado na planta da casa toda ou num único ambiente para identificar as oito diferentes áreas da vida: trabalho, espiritualidade, família, prosperidade, sucesso, relacionamentos, criatividade e amigos. Elas serão ativadas com o uso de cores e objetos correspondentes.



Na cozinha ajuda nas finanças

A cozinha representa o elemento fogo e ativa a nossa riqueza. Uma boa iluminação, se possível natural, é muito importante neste lugar da casa. Armários de alimentos e utensílios devem ser muito bem organizados, limpos e acessíveis para manter a vida financeira em ordem. Flores e frutas devem ser expostas em vasos e fruteiras para elevar o chi (energia vital). Cuidado com a disposição do fogão, símbolo da prosperidade. Se ele ficar ao lado da pia ou em frente à geladeira, coloque um sino de vento ou cristal para evitar que a água (pia e geladeira) apague o fogo (a prosperidade do fogão)


No quarto das crianças

A cama deve ficar de frente para a porta de entrada, para que a criança veja quem entra e sai do cômodo (mas não com os pés voltados para a porta). O quarto deve ser alegre, arejado e bem iluminado. Prefira cores suaves como verde, lilás, azul, rosa, branco ou tons pastel. O colorido dos brinquedos é bem-vindo, apenas recomenda-se cuidado com o vermelho, que pode causar agitação. Os quadros devem ser colocados na altura dos olhos das crianças.

Harmonia para a entrada da casa

A entrada da casa, do apartamento ou da empresa liga o ambiente externo ao interno conduzindo o 'chi' (energia vital), por isso devem ser bem iluminada, limpa e decorada com plantas, flores, cores claras, quadros, fontes ou espelhos. Essas dicas valem tanto para o hall de entrada como para a parte externa. Se a sua entrada fica próxima a um elevador ou lixeira, coloque um espelho ba-guá acima da porta de entrada. Para entradas estreitas, pendure um cristal ou sino de vento. E coloque espelhos em paredes que bloqueiam esta área da casa.

No centro da casa

Decore esse ambiente com objetos de cerâmica, peças de formato quadrado ou retangular, imagens de pessoas ou animais saudáveis ou plantas em vasos com terra. As cores podem variar entre tons de amarelo, laranja e marrom. Tudo isso representa a estabilidade e a força do elemento terra, que rege a energia do centro da casa e é responsável pela saúde física, pelas emoções e pelo equilíbrio do ambiente e de seus habitantes. Você pode usar apenas um dos itens ou combiná-los para obter um melhor resultado.

No quarto de dormir

Evite a bagunça como roupas espalhadas, revistas, livros e material de estudo ou trabalho fora de ordem. O quarto deve ser confortável e acolhedor para que você reponha suas energias. As cores das paredes e roupas de cama devem ser suaves. Se gostar de cores fortes, tente usá-las em vasos, porta-retratos ou almofadas. A cama deve ter uma cabeceira forte, inteiriça. É importante haver espaço para circulação embaixo da cama, por isso não guarde objetos neste local. A posição ideal é com a cabeceira encostada na parede.


Uma flor para cada ambiente

Flores são seres vivos, por isso têm energia vital (chi) e ativam a energia de qualquer ambiente com cores, beleza e alegria. No guá do trabalho coloque copos-de-leite ou lírios-da-paz. Para o canto da espiritualidade indico violetas ou hortênsias. No guá da família, o ideal é uma planta como a árvore da felicidade. Gérberas ou begônias para o sucesso. Estimule a criatividade com margaridinhas. No canto do amor, rosas ou azaléias. Para a saúde, flores amarelas. No canto dos amigos, orquídeas. E para a prosperidade, um belo girassol.

Fonte: Abril.com

sexta-feira, 15 de abril de 2011

"ORAÇÃO DO UNIVERSO" (ver no blog)
A forma mais precisa de se religar a "Deusa Mãe".
A Energia criadora que transforma e realiza.
A Fonte de Energia que está sempre à nossa disposição!
Universo - Poder Supreno!

terça-feira, 12 de abril de 2011

Ikebana Sanguetsu - A energia das flores.


Os objetivos do Ikebana Sanguetsu

Cumprindo o propósito de ajudar na construção de um mundo melhor, a Academia de Ikebana Sanguetsu, ligada á Fundação Mokiti Okada - MOA, desenvolve suas atividades no Brasil desde 1974 e vem se esforçando para que a beleza das flores, do sentimento e da arte chegue rapidamente a um número crescente de pessoas.

Acreditamos que é possível transformar cada lar num pequeno núcleo do paraíso, onde as pessoas convivam em harmonia e o amor encontre base para florescer e expandir-se naturalmente. O Mestre Mokiti Okada, que inspirou o desenvolvimento do estilo Sanguetsu, ensinou que a flor é capaz de tocar o coração do indivíduo, debelando os sentimentos negativos que existem no mundo. Purifica o ambiente e cria uma atmosfera de paz, harmonia e beleza.

Por isso, é muito importante que a humanidade tome consciência da essência da flor, que é simples e profunda, pura e eterna. Vivifica o sentimento humano para um universo de paz, segurança, prosperidade e múltiplas realizações.
O Ikebana Sanguetsu possui técnicas, mas sua principal característica é explorar e enobrecer os sentimentos do homem. Estamos presentes neste blog, para oferecer um primeiro contato com a arte do Ikebana Sanguetsu, divulgar sua história, mostrar que é possível por meio das flores mudar a energia de ambientes, residenciais e profissionais.
A flor é uma obra prima da natureza que traz na sua forma a beleza da energia do Universo. 

O patrono do estilo Sanguetsu - Mokiti Okada

Nascido no Japão em 1882, Mokiti Okada, desde criança, foi uma pessoa ligada às artes e preocupada com os problemas da humanidade.
Após passar por inúmeras dificuldades na sua vida familiar e empresarial, ele foi cada vez mais se aprofundando na filosofia e nos estudos sobre as Lei da Natureza. Como resultado de anos de pesquisas e profunda sabedoria, escreveu inúmeros ensaios filosóficos, poemas, pintou quadros e caligrafias, criou o Johrei - transmissão da energia vital do universo realizada através da imposição das mãos para reequilíbrio do corpo físico-espiritual do homem, o estilo Sanguetsu de Ikebana, que se caracteriza por linhas simples e enorme respeito á natureza, e o método de agricultura natural.
Faleceu em 1955, deixando como patrimônio para a humanidade três Solos Sagrados, protótipos do mundo ideal em Hakone, Atami e Kyoto, no Japão, dois museus de arte em Hakone e Atami, conceituasdos internacionalmente e ensinamentos preciosos para a evolução da humanidade.

O significado transcendental do Ikebana


A palavra Ikebana deriva de "Ike" e "Hana", aqui pronunciada bana. "Ike" provém de três verbos: "Ikeru" - colocar ou arrumar flores, "Ikiru" - viver, tornar vivo ou chegar à essência de algo e "Ikassu" - colocar sob a melhor luz, ajudar a encontrar a verdadeira essência, tornar a vida mais pura. "Hana" (bana) tem o significado literal de flor. Contudo, por extensão, é entendida ainda como planta ou parte de uma planta. Ikebana é, em princípio, a arte de arranjar flores, ramos e galhos naturais numa composição, evidenciando-lhes a beleza. É ainda, sobretudo um Caminho.
Trata-se de uma das muitas expressões artísticas desenvolvidas ao longo dos séculos pelos japoneses, que leva o praticante à harmonia interior. Consegue-se essa harmonia através da contínua interação com as plantas que vão resultar numa composição floral, onde se aprecia a forma, verifica-se como crescem e absorvem a luz solar; sente-se a sua força ou delicadeza, percebe-se a singularidade de cada ramo ou flor. Essa contínua interação com a flor resulta no aflorar e no desenvolver da sensibilidade. Assim considerada, a arte do Ikebana é, ainda, uma forma de meditação. Iniciar-se no seu aprendizado é assumir um caminho de autoconhecimento e elevação da espiritualidade através da arte.

Fonte: Fundação Mokti Okada - RJ.

quarta-feira, 6 de abril de 2011

Por que tantos terremotos? Qual a razão?


O aumento do número e da intensidade dos terremotos nos últimos anos deveria servir para sacudir também o íntimo dos seres humanos, para que se libertassem ainda em tempo de sua inércia espiritual.
Não passa um mês sem que tomemos conhecimento de algum terremoto significativo. E isso porque os tremores menores, que também causam extensos danos e muita apreensão, não são sequer noticiados.
Estima-se que ocorram a cada ano cerca de 500 mil tremores em todo o globo, havendo quem fale até de um milhão de sismos, dos quais 100 mil são percebidos pelas pessoas com seus próprios sentidos e pelo menos mil causam danos. A Terra está tremendo sem parar, o que nada de bom significa para os seres humanos. Um retrato disso pode ser visto na figura abaixo, montada pelos pesquisadores russos Denis Mischin e Alex Chulkov, que mostra os terremotos com magnitude superior a 4 graus na Escala Richter que sacudiram o planeta de janeiro de 1989 a setembro de 1997 (a cor indica a profundidade do epicentro).


No Japão já se registrou, num único fim de semana, uma cadeia de mais de 200 terremotos de intensidade leve e moderada. Conquanto muitos japoneses considerem isso como uma característica "normal" de seu país, todos esses sismos e também a movimentação dos 86 vulcões ativos do país são na verdade prenúncios de uma catástrofe gigantesca, a qual, ao contrário do que até mesmo pessoas sérias e realistas imaginam, não está reservada a um futuro longínquo. Não é sem razão que desde a década de 70 já se verificava que muitas aves migratórias evitavam o Japão…
Essa situação de grande insegurança já fora prevista há milênios para toda a humanidade. Na Grande Pirâmide de Gizé, no Egito, existe uma câmara, ou sala, chamada Câmara do Rei, ou Sala das Nações, ou ainda Sala do Juízo. Esta sala apresenta um piso desigual, indicando a insegurança dos seres humanos na época do Juízo em relação ao próprio solo que pisam. A explicação original do significado do piso irregular é transmitida por Roselis von Sass em sua obra A Grande Pirâmide Revela seu Segredo:
"O piso desigual indica que na época do Juízo os seres humanos não mais terão sob os pés um solo liso e firme. A terra onde eles se locomovem não contém mais nenhuma segurança para eles. Não sabem o que o próximo passo lhes pode trazer."

Terremoto nos Estados Unidos
Terremoto nos Estados Unidos

Os dados estatísticos que analisaremos a seguir, não deixam margem a dúvidas quanto à veracidade destas palavras.
São considerados grandes terremotos aqueles de magnitude igual ou superior a 6 na escala Richter. Essa escala é logarítmica, por isso um terremoto de magnitude 7, por exemplo, é dez vezes mais forte que um terremoto de magnitude 6, e assim por diante. O terremoto de Kobe, no Japão, ocorrido em 17 de janeiro de 1995 e que foi considerado "o pior dos últimos 70 anos", apresentou uma magnitude de 7,2 graus na escala Richter.
Em todo o século XIX ocorreram 41 grandes terremotos, acarretando pouco mais de 350 mil mortes. No século XX, até maio de 1997, já haviam ocorrido 96 grandes terremotos, que provocaram a morte de mais de 2 milhões e 150 mil pessoas1 .
O gráfico abaixo mostra a ocorrência de grandes terremotos nos últimos 2 mil anos até 1997. Parte dos terremotos ocorridos nos séculos XVII e XVIII, e todos até o século XVI, foram considerados grandes em razão dos danos e mortes provocados.

O gráfico a seguir faz uma comparação por década entre os grandes terremotos ocorridos nos séculos XIX e XX:


Observa-se que com exceção da década de 50, todas as outras décadas do século XX tiveram maior número de grandes terremotosquando comparadas às atividades sísmicas no planeta de cem anos atrás.
Mesmo fazendo-se uso de outros critérios ou fontes, o aumento do número de terremotos em todo o mundo é um fato inquestionável. Uma pesquisadora americana, Sarah Davies, formulou as seguintes perguntas a um grupo de especialistas da área, através da Internet: "Está havendo um aumento na incidência de terremotos em todo o mundo neste século? Caso existam registros antigos, esse aumento tem-se verificado ao longo dos últimos 200 anos?"
Quem respondeu à questão de Sarah foi o vulcanologista Steve Mattox, da Universidade de North Dakota. Ele disse que seria melhor fazer uma análise da incidência apenas dos maiores terremotos já ocorridos, a fim de reduzir a dependência de observadores e do instrumental de medição. Segundo ele, na primeira metade do nosso século houve 15 terremotos desse tipo [de intensidade extrema], e na segunda metade haviam ocorrido até então 20 desses terremotos. Já em todo o século passado registraram-se apenas 7 terremotos extremos2 .O Dr. Steve conclui: "Baseando-se nessa rápida análise de uma única fonte de informação, parece que a freqüência de terremotos está aumentando. A grande questão é o porquê disso" [grifo meu].
Além da freqüência aumentada, verifica-se também um crescimento da intensidade dos terremotos, alguns deles tornando-se até momentaneamente famosos em razão da destruição e do número de mortes, como os da Guatemala (um milhão de desabrigados) e da China (750 mil mortos) em 1976, o do México em 1985 e o do Japão em 1995. Infelizmente, também essas grandes catástrofes acabam sendo esquecidas após um tempo maior ou menor, transformando-se em meras curiosidades históricas.
Em 31 de maio de 1970, por exemplo, houve uma catástrofe no Peru sem paralelo na história humana até o presente (abril de 1998), com a possível exceção talvez da destruição da cidade de Pompéia, no ano 79 d.C., soterrada pela erupção do Vesúvio.
Naquele dia, um sismo violentíssimo numa região costeira do país — que segundo estimativas teria atingido 9 graus na escala Richter (ou próximo disso) — aliado à ação de um fenômeno pouco conhecido na época, o efeito estufa, fez desabar o pico norte do nevado de Huascaran, na cordilheira dos Andes, situado a 14,5 km de um importante centro econômico: a cidade de Yungay.
Em menos de três minutos Yungay foi soterrada por uma massa de gelo e entulho deslocando-se à velocidade de 330 km/h. Estima-se que pelo menos 30 mil pessoas morreram, soterradas por uma camada de 27 milhões de metros cúbicos de entulho, com espessura variando de quatro a dez metros. A repercussão desse extraordinário acontecimento foi, porém, muito pequena; primeiro porque aconteceu num país do 3º mundo, mas principalmente porque naquele dia estava sendo aberta a copa mundial de futebol…
Vamos ver agora como se dá o aumento da incidência de terremotos em algumas partes do mundo. A tabela apresentada a seguir mostra os terremotos registrados neste século, até a década de 70, na região do Oriente Médio:

TERREMOTOS NO ORIENTE MÉDIO
Décadas do Século XX
Número de terremotos por década
1900 a 1909
141
1910 a 1919
154
1920 a 1929
321
1930 a 1939
358
1940 a 1949
347
1950 a 1959
467
1960 a 1969
1.205
1970 a 1979
1.553

Nos primeiros quarenta anos do século (de 1900 a 1939), ocorreram 974 terremotos na região. Nos quarenta anos seguintes (de 1940 a 1979), ocorreram 3.572 terremotos, quase 4 vezes mais que no primeiro período. Nas décadas de 60 e 70 houve 2.758 terremotos, quase mil a mais que nos sessenta anos anteriores (1.788 terremotos).
A tabela anterior foi plotada no gráfico de barras mostrado a seguir, permitindo visualizar o crescimento do número de terremotos por década naquela região.
No Irã morreram cerca de 126 mil pessoas neste século (até fins de 1997) vítimas de terremotos. O maior deles (até agora), ocorrido em julho de 1990, deixou 40 mil mortos, 60 mil feridos e 500 mil desabrigados; as perdas materiais foram estimadas em US$ 7,2 bilhões.
Este terremoto deu origem a um filme iraniano intitulado "Vida e Nada Mais". Numa cena do filme, em meio àquela destruição total, uma personagem pergunta atônita: "Que crime esta nação cometeu contra Deus para merecer tamanho castigo?" É uma pergunta cuja resposta qualquer um que acompanha com atenção os acontecimentos da nossa época pode dar...
Na China existe uma estatística que registra os terremotos com magnitude igual ou superior a 6,5. Na primeira década do século XX houve 18 tremores deste tipo. Nas três décadas seguintes houve, respectivamente, 35, 33 e 34 desses terremotos no país.
No Japão, os terremotos com magnitude igual ou superior a 6 são mostrados na tabela a seguir, abrangendo o final do século passado e o começo do século XX. Observa-se claramente o crescimento contínuo do número de grandes terremotos já na passagem de um século para outro.

TERREMOTOS NO JAPÃO
Períodos de 10 anos
Número de terremotos
1885 a 1894
69
1895 a 1904
127
1905 a 1914
149
1915 a 1924
229

Na América Latina houve três grandes terremotos nos vinte anos compreendidos entre 1926 a 1945. Nos vinte anos seguintes, de 1946 a 1965, houve quatro grandes terremotos. Já nos vinte anos que vão de 1966 a 1985 houve um total de 12 grandes terremotos.
Nos Estados Unidos e no Canadá ocorreram 15 grandes terremotos no período de trinta anos compreendido entre 1911 e 1940; nos trinta anos seguintes, de 1941 a 1970, houve 18 grandes terremotos. Apenas na década de 70 já haviam ocorrido 10 grandes terremotos na região. Na Califórnia ocorreram, em todo o século passado, 29 grandes terremotos; no século XX, até 1984, já haviam ocorrido 39 grandes terremotos. Em todo o século passado a capital dos Estados Unidos sentiu seis tremores; no século XX, até 1983, Washington já havia experimentado 19 terremotos.
Esses números são apenas uma amostragem do que vem ocorrendo no mundo todo, e demonstram de maneira inequívoca que a humanidade, agora, não tem mais "o solo firme sob os pés". Nesses últimos anos do Juízo Final, os terremotos continuarão aumentando em todo o mundo, tanto em quantidade como em intensidade, como um dos mecanismos automáticos de limpeza e purificação da Terra. Não são eventos arbitrários da natureza, tampouco uma "provação divina", como alegou recentemente o governante de um país atingido por um sismo violentíssimo.
Os trechos selecionados de algumas notícias sobre terremotos e transcritos abaixo — dentre inúmeras outras veiculadas num período aproximado de três anos — mostram a total vulnerabilidade do ser humano frente a esse acontecimento da natureza. A magnitude dos fenômenos e a perplexidade de sobreviventes e repórteres, evidenciada em seus comentários, é um reconhecimento forçado da incapacidade humana de dominar com o seu intelecto as forças da natureza. O ser humano não pode dominar com a sua inteligência os fenômenos da natureza, ainda mais quando estes lhes trazem o indesviável retorno cármico de suas más ações.
Atualmente esse correto sentimento de incapacidade já está se difundindo na chamada "ciência de previsão de terremotos". Muitos sismólogos americanos admitem que as tentativas de encontrar uma maneira de avisar as pessoas com minutos ou horas antes da ocorrência de um terremoto, resultaram inúteis. O sismólogo Thomas Heanton, da Califórnia, afirmou que "a sensação de otimismo inicial transformou-se em pessimismo". Numa entrevista sobre o assunto, Heanton desabafou: "Se terremotos não podem ser previstos, como se deveria gastar os 100 milhões de dólares reservados nos Estados Unidos para a pesquisa de previsão dos terremotos? (…) Nós nunca seremos capazes de prever em detalhes quando um terremoto se tornará grande."
Que distância não existe entre essas palavras e o tempo em que os seres humanos ainda viviam em harmonia com a natureza! Numa época em que eram avisados a tempo sobre terremotos e outros fenômenos naturais pelos enteais, os seres da natureza, relegados hoje aos contos de fada e grotescamente desfigurados nas imagens dos bonecos vendidos em lojas esotéricas.
Afastados do amor prestimoso dos enteais, confiando tão-somente no seu raciocínio e, por isso, agindo obstinadamente de modo contrário às Leis da natureza, quedam-se os seres humanos hoje impotentes e perplexos ante o recrudescimento dos fenômenos da natureza:
"Tremor se propagou da Argentina ao Canadá. (…) Especialistas do Centro de Pesquisa Geológica de Minessota disseram que o fenômeno foi ‘extremamente raro'."
"O terremoto de ontem foi sentido em todo o território japonês, em diferentes graus de intensidade. (…) Foi um dos mais fortes dos últimos 26 anos."
"Terremoto seguido de maremoto mata 45 e fere 135 nas Filipinas. (…) Mais de 600 tremores secundários foram registrados. (…) ‘O Terremoto foi acompanhado de um rugido. Depois vieram as ondas, de 10 a 15 metros’, disse o governador Rod Valencia. (…) ‘Acordamos com um barulho ensurdecedor; quando tentamos sair, as ondas enormes se precipitaram sobre nós’, disse uma senhora que perdeu quatro filhos."
"Tremor no Japão é o pior em 47 anos. (…) ‘Pior do que a Segunda Guerra’, diz sobrevivente. (…) Há um ano, quando um terremoto de magnitude semelhante atingiu a região de Los Angeles, marcando o mundo com imagens de vias expressas desabadas, os engenheiros japoneses se gabaram, dizendo que a mesma coisa não aconteceria por aqui. Os prédios japoneses eram melhor projetados e construídos, segundo eles. Mas ontem eles reavaliaram suas posições." [relato de um correspondente internacional sobre o terremoto de Kobe, Japão]
"Terremoto no Japão faz milhares de vítimas. (…) Fim do mundo. Essa foi a impressão da maioria das pessoas que residem nas áreas afetadas pelo terremoto."
"O terremoto, o pior dos últimos setenta anos no Japão, derrubou casas e edifícios e transformou quarteirões inteiros em gigantescas fogueiras, cujas labaredas ainda crepitavam depois de três dias."
"O vice-premiê russo Oleg Soskovets disse que o terremoto pode ter sido ‘o pior de toda a história da Rússia’."
"Dois tremores de terra atingiram Roma na noite de ontem. (…) Tremores são raros na capital italiana."
"Foi o sismo mais forte da década no México. (…) Milhões de pessoas saíram às ruas."
"(…) Quatro mil casas foram destruídas e mais de mil tiveram suas estruturas comprometidas. (…) ‘Nossa cidade sumiu’, disse um morador de Dinar [na Turquia]."
"O sismo que devastou a cidade de Sungai Penuh [na Indonésia] é o mais forte a atingir o país desde o começo do século."
"Cerca de 400 tremores de terra foram registrados na Mongólia nos últimos dois dias."]
"Como foi a primeira vez que Taiobeiras [cidade de Minas Gerais - Brasil] registrou o fenômeno, muita gente pensou tratar-se do fim do mundo."
"Uma série de pequenos tremores está deixando amedrontados os moradores da pequena cidade de Cajuru [Estado de São Paulo]."
"Pelo menos 304 pessoas morreram e 14 mil ficaram feridas no mais violento terremoto dos últimos oito anos na China. (…) Há mais de 186 mil casas destruídas e pelo menos 300 mil desabrigados."
"O maremoto [na costa do Peru] ocorreu depois de um terremoto de 6,7 graus na escala Richter no Oceano Pacífico. Outro terremoto, na região central do Chile, causou pânico ontem na capital, Santiago."
"Ter uma sucessão de três terremotos sérios numa determinada área em cerca de seis meses é um fenômeno bastante incomum nos últimos anos, disse Li Xuanhu, um dos diretores do Centro de Sismologia da China."
"O tremor foi seguido por mais de 300 réplicas de menor intensidade, que se estenderam até a manhã de ontem [no Equador]."
"O tremor de sábado foi o pior na região de Lijiang [na China] desde 1474."
"Equipes de resgate acreditam que o número de mortos pode chegar a três mil [no Irã]. (...) A movimentação sísmica dos últimos três dias segue-se a uma intensa atividade registrada em seqüência na Armênia, China, Paquistão e Japão.
"Duzentas aldeias foram destruídas, sete foram literalmente engolidas pela terra [no Irã]. (...) Mais de 4 mil pessoas morreram . (...) 'O tremor foi tão forte que várias vezes tentei sair de casa, mas fui empurrada para as paredes', contou a dona de casa Fatemeh Rafie. 'O solo formava ondas de quase meio metro; parecia que eu estava no mar'."
"Uma série de terremotos atingiu ontem várias partes do mundo [Índia, Espanha, México, El Salvador]."
"O terremoto que atingiu o litoral nordeste da Venezuela foi tão forte que a terra tremeu em Manaus, a 1.500 quilômetros de distância. (...) Foi o pior tremor na Venezuela em três décadas."
" 'Parece que houve um bombardeio sobre a basílica', comentou Antônio Paolucci, ex-ministro da Cultura e encarregado, junto com especialistas, de avaliar os danos à preciosa igreja de São Francisco de Assis. (...) De acordo com restauradores, o verdadeiro desastre está nos danos a centenas de igrejas romanas e pré-romanas de Marche e Úmbria." [ Obs.: Este terremoto ocorreu setembro de 1997. Em março de 1998 um novo tremor atingiu o centro da Itália, fazendo balançar novamente a igreja de Assis e causando danos no mosteiro de Santa Clara. O supervisor das obras de restauração da igreja exclamou: "Nós estávamos trabalhando no interior da igreja, quando tudo começou a tremer de novo. Entramos em pânico e saímos correndo para a rua."]
"O primeiro abalo foi seguido por mais de cem réplicas [na Indonésia]."
"Quase no mesmo horário do terremoto do Chile, dois tremores de intensidade mediana foram sentidos no centro da Argentina; também foram registrados tremores perto das ilhas Fiji e na Grécia. Anteontem um sismo de 4,9 graus havia atingido a região central da Itália."
"Tremor assusta população de Mato Grosso. O sismo, de 5 graus na escala Richter, foi o segundo maior já registrado no Brasil. O primeiro aconteceu na mesma região, em janeiro de 1995, e chegou a 5,6 graus.
"Pelo menos 4.400 corpos foram recuperados dos escombros deixados após o terremoto ocorrido terça-feira no Afeganistão. O porta-voz da aliança militar que controla a área disse que as colinas caíram umas sobre as outras, formando uma cratera gigante. Mais de 20 povoados foram destruídos."
Fonte: www.msantunes.com.br