quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Olhe para o Universo e agradeça.


Existência de Deus

Conta-se que um velho árabe analfabeto
orava com tanto fervor e com tanto carinho,
cada noite, que, certa vez, o rico chefe de grande
caravana chamou-o à sua presença e lhe
perguntou: Porque oras com tanta fé?
Como sabes que Deus existe, quando nem ao
menos sabes ler? O crente fiel respondeu:
Grande senhor. Conheço a existência de
Nosso Pai Celeste pelos sinais dele.
Como assim? Indagou o chefe, admirado.
O servo humilde explicou-lhe: Quando o senhor
recebe uma carta de pessoa ausente, como
reconhece quem a escreveu? Pela letra.
Quando o senhor recebe uma joia, como é que se
informa quanto ao autor dela?
Pela marca do ourives. O empregado sorriu e
acrescentou: Quando ouve passos ao redor da tenda,
como sabe, depois, se foi um carneiro,
um cavalo ou um boi?
Pelos rastros- respondeu o chefe, surpreendido.
Então o velho crente convidou-o para fora da
barraca e, mostrando-lhe o céu, onde a Lua
brilhava, cercada por multidões de estrelas,
exclamou, respeitoso:
Senhor aqueles sinais, lá encima, não podem ser
dos homens! Nesse momento, o orgulhoso
caravaneiro, de olhos lacrimosos, ajoelhou-se
na areia e começou a orar também.

Chico Xavier

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

O poder do abraço.


Um forte abraço é o melhor dos remédios.
 
Cada vez mais nos sentimos isolados. Estamos vivendo um período de distanciamento de coisas simples, como um abraço.
Neste post vamos entender o “poder do abraço”. Alberto Petrocchi vai nos orientar de forma sensível e inteligente e mostrar como esse fantástico gesto de amor e carinho é poderoso.




por: Alberto Petrocchi

Estando em outro país e tendo acesso a informações sobre as principais características do seu povo, pude sabê-lo "individualista".
O conhecimento dessa particularidade deixou-me curioso a respeito dos motivos que estão levando as pessoas a isolarem-se umas das outras, além das consequências de tal atitude.
A ascendência do ter sobre o ser, a quase que obrigatoriedade de sobressair-se pela aparência, a importância de um grande saldo bancário, o automóvel último tipo e a roupa da moda fazem com que as pessoas vivam na sua redoma particular, presas apenas das suas vontades e das suas aspirações.
Pode parecer incrível, mas até nas danças modernas as pessoas se isolam. É extremamente difícil vermos pares dançando abraçados. Tornou-se, como diriam alguns, meio "démodé", quadrado. A intimidade gerada por um abraço, mais do que ser sensual ou sexual, transmite conforto, segurança, afeto, carinho, respeito. Preenche as necessidades de quem é abraçado e permite, a quem teve a iniciativa do gesto, demonstrar ser capaz de transmitir sua generosidade.
Desde que descarregado de outras intenções, o simples enlaçar com os braços é uma atitude poderosa. Transmite-se, através dele, inclusive o respeito para com a outra pessoa. Tomemos, como exemplo, a forma de apresentar sentimentos a quem passa pelo difícil momento da perda de um ser querido.
Quaisquer que sejam as palavras escolhidas para confortar essa pessoa poderão ser, no mínimo, inócuas, sem o verdadeiro sentido do que deveriam exprimir. Já o abraço forte demonstra o apoio, o conforto e a segurança oferecidos. Aquele que é abraçado pode confiar na força que lhe é transmitida, a confiança que lhe está sendo destinada.
Quando estamos nos sentindo sozinhos, meio que tristes ou com o horizonte fora de foco, um abraço é o melhor dos remédios. Faz-nos sentir queridos, alvos da atenção que necessitamos.
As palavras, nessas horas, talvez não signifiquem muito. O poderoso afeto que nos é destinado tem a força de erguer-nos do fosso e parece muito grande, maior do que a mais alta montanha. O ombro que nos recebe é sempre capaz de nos animar, de nos trazer de volta aos bons momentos da vida.
As crianças, por exemplo, na sua natural dificuldade para se expressarem através de palavras, demonstram todo o seu carinho com longos e apertados abraços. Chegam a ranger os dentes com a finalidade de nos mostrar a força do seu sentimento. É uma das mais reais provas de sentimento puro, de vontade de gritar sua demonstração de carinho.
Abraços de boas-vindas podem ser a prova de que a sua falta foi realmente sentida. Parecem querer dizer que o seu lugar, durante a sua ausência, foi ferrenhamente guardado. Quem permaneceu aguardando o seu regresso, qualquer que tenha sido o motivo da sua ida, precisava de você ao lado, tendo compreendido bem o motivo que o tenha privado da sua presença.
Está verdadeiramente feliz com a sua volta. Ah!, e os abraços de amor... Não existe quem a eles resista. Conseguem dizer o que as palavras jamais conseguiriam. Nem os olhos abertos se lhes resistem.
Vencidos, semicerram-se. A gana (a boa gana) se transforma em dedos crispados. Os rostos parecem querer invadir um ao outro.
Acontece uma verdadeira fusão de corpos e almas. É uma das mais expressivas formas de demonstração de amor.
Dois seres que se amam se completam nesses momentos. É o céu e a terra juntos. Existe, ali, a prova da divindade nos seres humanos, a sublime parte de ambos. Assim é que, diante do que consegui dizer, gosto de continuar com os meus princípios de integração/interação. Preciso de outro(s) ser(es) humano(s) ao meu lado. Para abraçar e/ou ser abraçado...